Podcast 2 em 1 #66 – Os Problemas do Cinema Cristão

No Barquinho setembro 29, 2015 36

Nesse episódio, Davi, Junior, Cacau e a tripulação do No Barquinho, Pedro, Matheus e Thiago continuam o crossover iniciado no #NB93 falando sobre os problemas e as dificuldades do cinema cristão! (Duração – 54:00)

Links:

Assista o Meditatio!
Davi no GraçaCast
Cacau no MCM
Cacau no BTCast
Junior no CabraCast

Acompanhe o Juntos em 1 Nas Redes Sociais:

Facebook
Twitter
YouTube

iTunes:

Assine!

Feed:

Assine!

  • Sas

    Aeeeewwwww!!! Teve uma vez que vi uma mulher dormindo no trem… É isso.

    • Vamos continuar essa história e transformar no melhor filme cristão de todos os tempos!

  • Felipe Barbosa

    “A Mila Kunis não é cristã né? Seria legal ter ela no céu….” MARQUES, Cacau.

  • Felipe Barbosa

    “A Mila Kunis não é cristã, né? Seria legal ter ela no céu…” MARQUES, Cacau.

  • WELBER PACHECO MARTINS

    bem veja! BEM PARECE QUE PARA FAZER ALGO ACIMA DA MÉDIA, TEM QUE TER ALGUÉM ACIMA DA MÉDIA (THALLES) KKK. FALANDO SÉRIO : DESAFIANDO GIGANTES, PARECE QUE FOI UM FILME FEITO COM BAIXOS RECURSOS TAMBÉM, EU GOSTEI MUITO QUANDO OLHEI, CONCORDO DEIXA A DESEJAR NO ROTEIRO, MAS DÁ PARA REFLETIR MAIS SOBRE SEU PROPOSITO COMO DE OUTROS FILMES…

  • Caramba… ouço o podcast de vocês há um tempo e nunca comentei… ingratidão, né? kkk
    Comentei rapidamente na primeira parte lá no barquinho, mas aqui é o tema sobre os filmes….
    Acho que os filmes cristãos não marcam tanto porquê em geral eles não deixam você pensar sobre a mensagem, eles querem empurrar a moral da história goela abaixo… Sabe… A moral da história tem que estar presente… E é mais importante que a história em si… E aí a história acaba ficando forçada… Tem que ter o final feliz… Tem que aceitar Jesus e dar tudo certo no final …

    Tem o pessoal da linha de pensamento do construtivismo que defende que para uma pessoa acreditar numa idéia, a melhor forma é fazer ela achar que ela mesma chegou à conclusão… Esses filmes “seculares” acabam marcando porque ninguém te forçou a chegar à conclusão.
    Os filmes cristãos te dão a resposta óbvia…e ao fazer ela obvia, ela fica sem graça…

    Sobre “A vida de Brian”, vocês comentaram em tom de chacota, mas gostaria que vocês dessem uma segunda olhada para ele… eu tinha um super preconceito com o filme até assistir o making-of (sim, assisto todo making of que cair na minha mão… se tiver que escolher, eu prefiro assistir o making do que o filme… kkk), e vi os caras falando sobre a ideia central do filme: não foi Jesus quem ensinou muito do que vemos hoje em dia… guerra entre religiões, exploração da fé, etc… foram as pessoas que foram distorcendo o que Jesus ensinava…
    Os caras do monthy python falam que a ideia nunca foi de tirar sarro de Jesus, mas tratar a figura de Jesus com respeito, e mas mostrar como a humanidade está pronta para pegar algo perfeito e transformar em bagunça… em religião…
    No filme “A vida de Brian” Jesus aparece só um momento e a única piada que tem é o fato de uma mulher não conseguir ouvir lá do fundo…
    Não é um filme cristão… mas serve como uma reflexão sobre o que estamos fazendo com os ensinamentos de Jesus.

    • É isso cara. Tudo muito bobo. Diferente do que disseram no podcast (na hora acabei não intervindo) , não acho que isso tenha a ver com repertório cinematográfico, ou com gente que entenda as “camadas” do roteiro. Acho que mesmo os cristãos que gostam desses filmes sabem que eles pecam como filme. Penso assim pq creio que se o mesmo roteiro você filmado com o propósito de propagar outra ideia que não o cristianismo, os mesmos defensores desses filmes diriam que são obras ruins. Não é o filme que atrai a admiração, mas a mensagem por trás. E boas mensagens não necessariamente fazem bons filmes, vide toda porcaria que passa na sessão da tarde, mas que pretendem ensinar bons valores sobre família, perseverança etc.

      Sobre “A Vida de Brian”, eu não fui jocoso não. Adoro esse filme. No papo chegamos a falar sobre isso, mas ficou de fora da edição pq não era o propósito do cast. Pra mim esse é o melhor filme do Monty Python e também nunca achei que fosse anti-cristão. E você tem toda razão, ele nos faz pensar no que temos feito com o ensino de Cristo.

      Abraço e
      “Always look on the bright side of life”… kkkkkkkk

  • Cristiano Almeida

    Enquanto não mudar a mentalidade dos criadores dos filmes e não melhorar a verba, fica complicado… Acho que podemos ir assistir a maioria desses filmes sempre com a expectativa baixa (como se fossem filmes de Sessão da Tarde), às vezes nos surpreenderemos positivamente.

    Gostei bastante do filme Corajosos e, com ressalvas, do filme O Céu é de Verdade.

    Abraços!

    • Então, eu sempre vou para esses filmes com a menor expectativa possível e ainda assim consigo sair decepcionado. Discordo que a falta de verba seja parte do problema. Tem bons filmes sendo feitos com muito menos dinheiro. Aqui no cinema nacional mesmo, temos ótimos filmes com orçamentos evidentemente baixos, abaixo inclusive desses dos filmes cristãos americanos.

      Ainda não vi esses dois filmes que você sugeriu. Acho que vou ver Corajosos. O outro acho que vou passar… kkkkkkk

      Abraço, cara. Valeu pelo comentário.

      • Cristiano Almeida

        Cacau, concordo que dá pra fazer coisa boa com orçamento baixo, mas penso que é mais difícil. Orçamento baixo não justifica filme ruim, mas é mais fácil entender.

        O filme O Céu é de Verdade me pegou por um detalhe: baseado em uma história real.

        Aliás, outro filme que lembrei e que também é baseado em uma história real, e por sinal muito bom, é Soul Surfer – Coragem de Viver.

  • Vinícius Augusto

    Que bom ver na podosfera um podcast dedicado a discutir sobre filmes cristãos. Diante de tudo o que foi falado, concordo com muita coisa. A teologia triunfalista tem influenciado o cinema e gerado filmes que se baseiam praticamente no conceito de vitória por obediência a determinados “manuais” cristãos. É como se a vida cristã fosse embasada no cumprimento religioso de uma receita de bolo. Dando a falsa impressão de que qualquer um, em qualquer lugar poderá chegar ao mesmo resultado desde que use os mesmo ingredientes. Sabemos que isso é falso e infelizmente alguns filmes cristãos mais modernos tem propagado essa ideia. Devemos apenas tomar o seguinte cuidado: Não partir para o outro extremo. A vida cristã não é um mar de rosas, definitivamente, mas também não é um vale eterno de desgraças. Talvez os conceitos da teologia da prosperidade e da palavra afirmativa, positiva, faz com que a gente vá para o outro extremo para tentar equilibrar essa balança, de modo que, para um filme cristão ser bom, na opinião de alguns, tem que ter um final infeliz ou até trágico. A questão é que todo enquadramento é perigoso e limitador. Não podemos ter em mente que a vida cristã é mundialmente uniforme. Deus trabalha em cada pessoa de uma forma. Pra alguns, vai dar tudo certo. Pra outros, alguns problemas virão para cumprir nas vidas dessas pessoas os propósitos que Deus determinou. Sendo assim, julgar um filme como ruim unicamente por ter um final feliz, é um julgamento meio simplista. Obviamente o problema é a doutrinação que muitos desses filmes fazem, como uma propaganda de que no fim vai dar tudo certo, e como já mencionei, Deus não trabalha de modo uniforme em todos os cristãos.
    Uma coisa interessante que vocês mencionaram foi a questão da propaganda na qual os filmes cristãos acabam se tornando. Eu concordo em partes. Não creio que distribuidoras como a BVfilms, Comev, Armagedon, estejam interessadas no público geral. Pra mim elas estão focadas no nicho cristão/evangélico. Basta ver a maioria desses filmes pra perceber como a linguagem é pra quem já é “iniciado” no mundo cristão. Não entendo como uma “propaganda aos perdidos”, e sim como uma ferramenta para a igreja, edificando e chamando a atenção dos cristãos para determinado assunto. Óbvio que a qualidade de muitos desses filmes é extremamente discutível, portanto, acho injusto compará-los com filmes que foram claramente produzidos para o publico geral. Não sou contra a produção de filmes para o nicho evangélico. Na verdade gosto muito do gênero e darei alguns exemplos. O problema acontece quando filmes de nicho se vendem como filmes para o publico geral, que foi o caso de “Deus não está morto”. 95% das pessoas do meu convívio que viram esse filme, AMARAM o filme. A maioria delas cristãs, claro. Eu concordo com o Davi, que disse que grande parte das pessoas que veem filmes, não tem profundidade intelectual para absorver as várias camadas do filme. Tendo isso em mente, eu entendo as razões dos filmes cristãos serem mais óbvios e evidentes, pois a intenção deles é trazer uma mensagem da maneira mais clara possível, e por vezes exagerando muito nesse ponto. Fica fácil para que é podcaster e para ouvintes de podcasts dizer que filme bom é filme com profundidade intelectual. Pois somos um publico que geralmente curte estudar, e que em grande parte são universitários, com um bom histórico de leitura, visão de mundo mais ampla… Sendo assim, filmes mais profundos nos chamam mais a atenção. Porém, essa não é a realidade da grande maioria das pessoas. Meu pai, por exemplo, é um cristão exemplar, me espelho muito nele em sua conduta como cristão. Mas se eu mostrar as cronicas de Nárnia pra ele, ele não vai conseguir captar o sentido oculto por trás dos símbolos e personagens. Isso acontece com a grande maioria das pessoas, por isso penso que os filmes “escrachados” tem o seu papel.
    Termino citando alguns filmes cristãos, de produtoras cristãs, que em minha opinião, são muito bons:

    *Um cara como os outros (acho que é da Comev – Comunicações Evangélicas) Muitas pessoas pensam que Deus pode usar apenas grandes pregadores e cantores. Esse filme mostra a diferença que Deus pode fazer na vida de uma pessoa comum, como as outras. Um rapaz bem sucedido abre mão da sua carreira e relacionamento para se dedicar ao trabalho com jovens em uma comunidade violenta da cidade. Pra quem não gosta de final feliz, esse é o filme. Ganhou o Prêmio de Melhor Filme do Ano 1981 pela Academia de Artes Cristãs Cinemagraphc.
    Link do youtube: https://www.youtube.com/watch?v=gzLxdxRYrns

    *Léo pode esperar: (Comev) O filme fala sobre um jovem que recebeu a visita de um anjo dizendo que Deus tinha grandes planos para ele. Diante disso, ele ficou empolgado, pensando em coisas grandes de acordo com o padrão humano, mas o que Deus tinha pra ele era fora desse padrão. um exemplo dessas grandes coisas que Deus tinha pra ele era cuidar do Léo, um novo convertido simples e pobre que frequentava a igreja. A Mensagem do filme é excelente. Link do filme editado, em uma versão mais curta, no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=RlS_qEbJ2CM

    * Gerônimo: (Comev) Filme com mensagem sensacional, que mostra um rapaz desviado (por ter perdido sua irmã em um acidente) em um acampamento junto com meninos que estavam ali como parte de um programa de reabilitação. diante dos dramas vividos no acampamento, ele tem que assumir novamente a fé e liderar esses garotos. link: https://www.youtube.com/watch?v=Wfy8YnB7KbA

    * Meninos de Rua (Armagedon – mesmo produtores de “inferno em Chamas”) é um filme mexicano que mostra o drama que famílias em situação de pobreza e violéncia vivem. Muitos meninos saem de casa e vão morar nas ruas. Em um desses guetos, há um policial aposentado, cristão, que tenta reabilitá-los. É o tipo de filme que a mensagem é bem melhor do que a produção em si, que é muito baixo custo, mas vale a pena ver. link: https://www.youtube.com/watch?v=XIsyZgLXNwk

    * Faça o que eu digo. Não faça o que eu faço (Armagedon) Esse filme é incrível. Mostra durante todo o filme o paralelo entre duas igrejas: uma preocupada consigo mesmo e seus eventos internos, e a outra preocupadas em salvar vidas e pregar o verdadeiro evangelho. O filme é extremamente irônico e faz refletir bastante. É uma pena que seu visual se assemelhe às novelas mexicanas. Mas vale muito a pena ver. Ele tem umas nuances meio cômicas que nos fazem pensar bastante. Link: https://www.youtube.com/watch?v=crNfmh5iFAg

    Todos os filmes que eu citei são mais antigos e são claramente para o nicho evangélico. Fica agora a esperança de que os filmes mais modernos sejam mais ricos, tanto em recursos, como em arte e conteúdo.

    Mais uma vez, parabéns a toda a galera do juntos em 1 e no barquinho.

    Abraço p Cacau, que será meu convidado p discutir história comigo, (estou no último período de História) ano que vem, quando meu site e podcast forem ao ar kkk

    • Valeu pelo comentário, Vinícius! Viu mandar um textão também. Segura aí… Kkkkkkk

      Cara, não me lembro de termos dito q o problema é o final feliz. Inclusive, os filmes que citamos como bons exemplos também tem finais felizes. Eu não tenho problema nenhum com isso e, pra dizer a verdade, nai tenho grandes críticas às doutrinas expressadas nesses filmes. Acho q são bons doutrinariamente e até disse isso no podcast, pra mim o problema não é falta de teologia. O problema é ter a história como pretexto da mensagem. Isso é muito ruim.

      Sobre ser um cinema de nicho, não há problema nisso. Tenho minhas desconfianças sobre isso, mas posso admitir q seja voltado só para crentes. Mesmo assim, isso não é desculpa para ser um filme ruim. Veja, sucesso de público não é sinônimo de qualidade. Pra mim, a falta de qualidade reside no fato de que as situações propostas prêmio roteiro não correspondem à realidade, as soluções são muito simples e, principalmente, os personagens são muito planos e não convencem. Mas a pergunta ainda fica de pé, pq tanta gente gosta desses filmes? Penso q é por causa da mensagem. Os crentes se identificam com a mensagem, mesmo sendo envolta em uma trama ruim. Como falei em outra resposta ali, se a mesma história fosse contada numa perspectiva de outra religião, os cristãos odiariam. Troque os personagens cristãos pelos personagens muçulmanos de Deus Não está Morto e veja se as pessoas continuariam gostando.

      Diferente do que foi dito no cast (na hora não me pronunciei) eu não acho q esses filmes são para pessoas que não vêem as camadas do roteiro, ou que não têm repertório cinematográfico. Ninguém é mais inteligente ou mais burro pelo que acha dos filmes cristãos. Acho apenas q essas poesias gostam da mensagem. A maioria das pessoas com quem converso dizem, inclusive, que sabem q não são bons filmes, mas q ficam felizes de ver uma obra com uma mensagem cristã nos cinemas. E elas têm todo direito de pensar assim. Não acho q os filmes têm que ser escrachados para que as pessoas entendam. O mesmo público entende outros bons filmes sem dificuldade. Pra mim, o problema é que os roteiristas têm uma mensagem para passar e a passam às custas da trama. E se a mensagem é boa, mas o roteiro é ruim, é melhor que transforme essa mensagem em outra coisa, uma pregação, uma música, um artigo, mas não num filme. Se o meio não é o mais adequado use outro meio. Ou se esforce para aparar as arestas do roteiro. Para deixar tudo mais natural. Eu penso assim.

      Vou conferir suas sugestões depois! Obrigado por indicá-las.

      Sobre o podcast de história, conte comigo!

      Abraço

  • DANIEL PUERTO

    Opa, primeira fez escrevendo aqui. me chamo Daniel Puerto, tenho 38 anos e sou de Marília SP, sobre esse episódio, o que mais me chamou a atenção foi a frase final do Davi Luna, precisamos amar (ou perdoar, não me lembro) os nossos vizinhos, mano tenho como vizinhos uma família de malucos, que sempre batem as coisas, falam alto etc… são ripongas e de vez em quando vem o cheiro aquele cheiro peculiar….com base na série do History chanel , AOK ISLANSD, colocamos o apelido na mulher de LOUCAILAND (isso é pecado Cacau).
    Abraço, muito bom o site e tb o Podcast.

    • Não sei se é pecado não… kkkkkkkkk. Acho engraçado que, em inglês, amar ao próximo é literalmente amar o vizinho. “Love thy neighbor”…kkkkkkkkkkk Abraço

  • Rogerio Macedo

    Não gosto muito de filmes bíblicos… Há algumas exceções, é claro, mas ainda assim, todos parecem muitos iguais e chatos. Filmes com temática cristã são razoáveis, mas ainda precisam de muito arroz com feijão pra ficar bacana. Sendo sincero, consigo ver mais de Deus em filmes que não necessariamente sejam cristãos do que os que o são declaradamente. Pra eu não ficar como “chatão”, digo que curto muito o Paixão de Cristo, do Mel Gibson. Não me lembro de nenhum outro que tenha me tocado da mesma maneira. Enfim, é isso. Abraços, brothers do Juntos!

  • André Lopes

    Crônicas de Nárnia, primeiro filme é tão implícita a mensagem cristã que o momento da morte de Aslam eu me emocionei muito. Agora filmes com temáticas cristãs é tão complicado, assim como é complicado dar exemplos e aplicações em uma pregação: a chance de rotular ou criar regras e relações muito esquisitas! Abraço e longa vida a Bryan!

    • Glória Hefzibá

      Pois é, André, eu vi muita gente se surpreendendo depois em saber que o Aslam era uma representação de Jesus. Para alguns isso foi bem mais óbvio. Mas ainda assim, a história é muito, muito boa.

      • André Lopes

        Nárnia é muito emocionante. Li os livros todos pros meia filhos antes de dormirem… Demorou uns meses mas foi muito bom…

    • Nárnia S2

  • saito

    o que voces acharam do filme redencao ou machine gun preacher em ingles,o que vcs fariam no lugar dele?atirariam contra os bandidos la,que pegariam as criancas para estrupar e transformar em soldados….

    • Não sei o que faria, mas esse filme é, no mínimo, interessante… Kkkkkkkk

  • Glória Hefzibá

    Que emoção ter comentário meu lido! Hahaha

    Achei “Lutero” um filme ótimo. A fotografia é linda, a história é interessante, e a devoção cristã esteve presente, provando que não é preciso fazer filme piegas para transmitir a mensagem. Por falar em Lutero, o mesmo ator será protagonista em “Risen”. Vocês já estão sabendo do filme? Mais um com temática cristã.

    Desses mais “baixo orçamento”, eu gostei bastante de “O Fazendeiro de Deus”. Outro que achei interessante, também baixo orçamento, mas bem menos conhecido, é “A Jornada”. O estilo é sessão da tarde, mas levanta uma discussão muito interessante: a possibilidade ou não de ensinar moral sem mencionar Deus.

    Se puder citar filme antigo, acho que vale a referência a “Os Dez Mandamentos” (sim, aquele que tem umas 5 horas), que até hoje não foi batido. “Êxodo” foi legal, mas a cena do mar se abrindo em “Os Dez Mandamentos” é bem melhor!

    Eu achei “Deus não está morto” válido para trazer aos mais leigos que existe apologética.

    Enfim, muito boa a discussão! Gostei bastante do crossover!

    PS.: Sobre Nárnia ser uma analogia, ou como alguns dizem, uma “alegoria”, CS Lewis respondeu dizendo que é uma “suposição”. Supondo que existe um reino com animais falantes, e que esse reino caísse, como a humanidade caiu, como Deus Se manifestaria nela? A resposta é, na forma de um leão, o Aslam.

  • Acredito que o maior problema do cinema cristão em relação aos filmes hollywoodianos, é que nos filmes cristãos só participam crentes, e eles se preocupam mais com a fé dos atores e produtores, do que com o talento e qualidade dos profissionais.

  • Pablo paiva

    Parabéns amigos , o livro de Ely melhor filme cristão da história ,amem ou não amem?

  • Eu só acho que vocês algumas vezes são ranzinzas com os Filmes cristãos. Deus não está morto é um filme ruim, mas nada mais. Não acho odioso, péssimo um desserviço. Eu acho que as vezes nós parecemos aqueles nerds puristas que assistem Hobbit e ficam revoltados com o romance entre uma elfa e um anão. Para quem não é nerd, passa, legal. É igual nós que lemos a Bíblia o tempo todo, estudamos o cristianismo a fundo. Não passa nada no filme! Criticamos cada pedaço do filme com uma lupa que não usamos em outros filmes, daí quando um Nerd faz a mesma coisa com Thor por exemplo, também é criticado.
    Resumindo, vcs são nerds de bíblia.

    Ps.:Davi Luna deveria fazer camisetas com as frases:
    – Deus não está nem aí.
    – Eu não lembro o que falei mas não mudei de opinião.
    – Together Power!

    • Rodrigão, meu brother, vou falar por mim. Eu critico Deus não está Morto como critico qualquer outro filme que acho ruim. Diferente do nerd que critica O Hobbit pela falta de fidelidade à história original, eu não tenho problemas doutrinários com Deus não está morto. Não acho que ele diga algo anti-bíblico. Pelo contrário, a mensagem por trás é verdadeira. A doutrina está correta. O problema ali é de roteiro: a história é pretexto para uma mensagem que os produtores querem passar. Para passar essa mensagem (várias mensagens, na verdade) eles enfraqueceram a história e, principalmente, criaram personagens extremamente rasos. Não sei se chega a ser um desserviço, mas é quase ofensivo o fato de que todos os personagens que não são cristãos tem problemas de caráter. Ou são gananciosos, ou falsos, ou violentos, repressores. Então, mano, acho que sua comparação com o nerd não se aplica, pelo menos não à forma como avalio o filme.

      Abração!

  • Pingback: #NB95 – A (não tão) Divina Revelação do (nosso) Céu | Podflix()

  • Amanda Andrade Rodrigues

    A Vida de Brian!!!
    fantástico haahahahaha

  • Henrique Rebello

    Alou Alou pessoal do 2 em 1. Que pena que não conhecia antes este podcast. Há dois anos comecei a ser edificado por pods cristãos, e a vibe de vcs é muito boa.
    Sou aqui de Manaus, e posso dizer que em muito tem nos ajudado, do ponto de vista da elucubração cristã, ouvir podcasts como o de vocês. Tanto que iniciei um com um amigo, mas ta meio parado. É o TPCast, podcast do blog Theopraxis.
    De qualquer forma, gostei muito deste episódio e queria contribuir indicando o filme INABALÁVEL, este não é aquele filme de final da disney que muitos esperam, e é baseado em uma história real.
    Continuem firmes nesse trabalho.
    Abraços deste manauara, (num calor de 40º), fã de podcasts cristãos.

  • Daniel Caze

    Cara, corajoso foi um filme muito bom. Até na questão cinematrografica.
    Mas concordo que tenta vender o cristianismo.

    O filme “sonho possivel” realmente é maravilhoso, e sem dúvidas um dos melhores filmes Cristão/Seculares dos últimos tempos…

    Sei que vai fugir do tema, mas gosto também do filme “o impossivel”, e mesmo sendo um filme cristão, não tem como ver uma familia sobreviver, como sobreviveu e não ver a mão de Deus sobre eles… abs!