Delas #05 – Maternidade: parte 1

No Barquinho maio 15, 2015 65

Bem-vindo ao Delas!

Este é o podcast Delas, e dessa vez Jaqueline Lima, Laís D’Andrea, e Sara Martins juntam-se as queridas Dri Degaspari, do Irmaos.com e Kézia Chaves do Base Bíblica para falarem sobre aquilo que só acontece com as mulheres (ou com o Arnold Schwarzenegger)!

Nesse podcast você vai ouvir boas histórias das mamães convidadas e vamos introduzir esse assunto tão importante para toda mulher.

O que a bíblia nos diz sobre a maternidade? Quando ter o primeiro filho? Medo de “botar uma criança nesse mundão”? Tudo isso e muito mais é papo tratado nesse que é o primeiro podcast de uma série sobre maternidade que queremos fazer aqui no Delas!

E lembre-se: os comentários são o seu espaço para deixar dúvidas, críticas e sugestões! Continue sendo um(a) lindo(a) e educado(a) ouvinte e use esse espaço com respeito e responsabilidade! ♥

Aproveite pra curtir umas musiquinhas selecionadas pela galera do grupo do Telegram do No Barquinho, com a gloriosa edição do nosso Thiago Ibrahim 🙂

Podcasts Relacionados:
– Ouça o último No Barquinho: #NB85 – Os maiores perdedores da Bíblia
– Ouça o último À Deriva: #AD18 – Duas preces
– Ouça o Irmãos.com sobre paternidade: Irmãos 264 – Paternidade
– Ouça os Nerdcasts sobre gravidez e os primeiros anos do bebê : Nerdcast 396 – Babycast e Nerdcast 464 – Babycast 2
– Ouça o Mamilos Podcast em que mães abrem seus corações quando falam sobre maternidade: Mamilos 23 – Mães sem Doriana, Barbárie no PR, Viúva Negra e Baltimore

Links relacionados ao episódio:
– Blog da Dani Marques: Vida de Mãe
– “Um propósito inesperado para a maternidade“, por Gloria Furman
– “Honrando o Chamado Bíblico da Maternidade“, por John Piper

Livros comentados no episódio:
– “Pastoreando o coração da criança”, por Tedd Tripp
– “Mulher Cristã: Repensando o papel da mulher à luz da Bíblia”, por Nancy Leigh  DeMoss, org.
– “Mentiras em que as mulheres acreditam e a verdade que as liberta”, por Nancy Leigh  DeMoss

Duração: 
ZIP: para baixar o podcast zipado, clique aqui!!

Edição: Thiago Ibrahim
Arte da vitrine: Daniel Sas (portfolio)

SUGESTÕES, CRÍTICAS, DÚVIDAS E MENSAGENS
Envie sua epístola para: delas@nobarquinho.com
Acesse nosso Twitter @PodcastDelas, ou ainda nosso Facebook fb.com/PodcastDelas

QUER ADICIONAR O FEED NO SEU AGREGADOR RSS?
Adicione nosso feed: delas.nobarquinho.com

ASSINE O “DELAS” NO ITUNES:
Acesse em: https://itunes.apple.com/br/podcast/delas-podcast/

  • Line Rocha

    As melhores!!!

    • Jaqueline Lima

      <3

  • Rogerio Macedo

    Tema interessante… Baixando o/

  • manoella Ferreira

    Sara sempre fofa, mas você vai ser mãe de uma menina futuramente viu…kkkkkk Adriana sou sua fã!!!!!! Amei esse podcast e estou esperando o próximo ansiosamente. Amo todas vocês!!!!

    • Sara Martins

      Mãe de MENINA?! o_O
      TENSA.

      • Do que vier. Depois da prova de fogo que vc contou que passou com o bb da Adriana. Tu encara até gêmeos. Tri. kkkkk

        • Sara Martins

          Eu queria gêmeos pra sofrer de uma vez só, hahahaha.

          • manoella Ferreira

            kkkkkkkkkkk…você vai ser uma mãe espetacular Sara!

  • Roberta da Rocha Silva

    Muito bom meninas, parabéns!

  • SU-AS LIN-DAS.
    Estou na metade e queria dizer que É TÃO GOSTOSO ouvir vocês. Ai ai s2
    Depois venho comentar direito.
    ;*

    • INTÃO! A trilha estava fofíssima. Gostei do relato da Sara cuidando do filho doente da Dri, me deu esperanças… Se ela consegue, eu consigo huehueuheueh. Sobre o jeito/gênero/personalidade da criança eu tenho um grande problema em me desprender da ideia de que tuuudo é construção social. A psicologia vai dizer que elas já tem personalidade antes da influência do meio, e até aí ok, mas eu não consigo dizer que a menina “gosta de rosa” só por SER menina. Por algum lado ela FOI influenciada e levada a isso… na minha opinião =D
      Outra coisa, sobre a maternidade ser uma coisa natural da mulher. Não consigo concordar, e, novamente, deve ser fruto de experiência pessoal. Eu, HOJE, não sinto vontade de ter filhos. Sei que é mandamento de Deus e tudo mais, mas não me sinto capaz. Pode ser egoísmo? Pode. Vou orar ainda pra que Deus trabalhe isso no meu coraçãozinho 😉
      Enfim, gostei muitooooo do cast. Sempre muito boa a companhia de vcs! De CADA UMA em especial <3
      PS: Senti falta da vozinha da Rê!
      Beijos!!! :*

      • Sara Martins

        “Se ela consegue, eu consigo” Pois é! Kkkkkkkkkkkkkkkk.

      • Laís D’Andréa Kari

        Maiara, tendo a concordar contigo em tudo isso e compartilho da sua (falta de) vontade de ter filhos.

  • Já tô preparado pra maternidade… XD
    Zueras à parte, mais um podcast instrutivo e cristoativo. Foi genial a abordagem dada ao assunto, e as experiências de vida das mães (Dri, que testemunho! Deus te abençoe mto! E ao meu charazinho tbm!) foram de arrepiar meus pelos depilados (bjo Sara!).

    • Sara Martins

      Bj!
      ^^

  • Só gente boa! 😀 Adorei, meninas! Muito bom, e como sempre, edificante.
    Deus abençoe.

    (Amo a voz da Dri)

  • Rogerio Macedo

    Então, meninas… Apesar do tema ser MATERNIDADE, acho legal entrar no ponto de vista masculino (na verdade, bem pessoal) deste ponto na vida das mulheres. Sei que nunca saberei como é a dor de um parto e nem terei noção de como é carregar uma criança dentro de você, mas, apesar de tudo isso, eu aceitaria o sacrifício. Meu sonho é ter uma filha, como já disse uma vez lá no grupo do Telegram, e é um sonho que, caras, não tem como eu comparar com nenhum outro. Poder cuidar, amar, brincar, sonhar, ensinar, etc, com certeza será o maior privilégio de quando eu tiver essa oportunidade. Quanto ao resto, VOCÊS SÃO DEMAIS, e o desenvolvimento do assunto é um tempero especial na durante a conversa. Vou ficar esperando ansiosamente a parte 2. Beijos.

    • Sara Martins

      Óun. Que fofo.

  • Rebeca da Gama

    Acho que a 3ª sexta-feira é a mais esperada do mês 🙂

  • Rebeca da Gama

    Que legal!! Dri e Kézia no Delas 😀 Senti falta da Renata só de ler o post.
    Achei engraçada a menção do Arnold Schwarzenegger hahaha

  • Felipe Almeida

    Primeira vez comentando no Delas. Meninas… o episodio ficou excelente, principalmente na parte sobre as experiências da Dri. E que venha a Parte 2. Parabéns!

  • manoella Ferreira

    Esqueci de comentar que tb gosto muito da voz da Adriana e da Jaqueline.
    Essa sexta eu esperei muito para chegar! o/

  • Alessandra Carolina Drumond

    Parabéns a todas pelo excelente podcast, principalmente a mãezinha e amiga Kezia, por ter falado do Mops, nosso ministério de mães, onde uma mãe ajuda outra, pois mães unidas fazem um mundo melhor! Deus abençoe vocês! Bjinhos

    • Oi Ale! O MOPS realmente é algo espetacular na vida de uma mãe perdida entre bagunça e casamento (como era comigo). Eu me achava um traste de mãe. Depois do MOPS, me acho tão comum. rsrsrs Beijos a todos.
      Ahhhhh. Meu bebê gente. É um menino. O primeiro médico errou. ahahahaha

  • Luciano Valério

    Achei meio tendenciosa a frase “graciosa edição de Ibra”, mas no fim tenho que concordar que foi demais e agora estou aguardando a playlist no spotify…rsrs!

    Os meus parabéns pelo desenvolvimento, foi muito bom ouvir vcs e entender um pouco mais sobre esse universo! Quero muito ser pai e espero um dia ser um bom pai, tipo os maridos ai que levam pro balé e coisa e tal!!!

    Parabéns meninas pelo podcast mais fofis da podosfera!

  • André Lopes

    Meninas, legal o podcast! Acho muito importante a reflexão sobre carreira. Minha esposa quando engravidou estava no último ano da faculdade, resolveu parar por causa da nossa primeira filha, dedicou-se a ela na primeira infância, emendou no segundo filho e acabou agora por trocar de carreira. Esta de formando agora, bem mais tarde que suas amigas da mesma idade, mas sentimos que fez muita diferença nas crianças. Quando olhamos o grande quadro da vida não perdemos tempo, se olhamos só um fractal, só uma parte, pode ser que ela esteja atrasada… Mas é um ponto de vista, e nós estamos satisfeitos com o resultado! Abraço

  • Cinthia Barbosa

    Parabéns mais uma vez pelo ótimo podcast! Que assunto bom e propício, tenho pensado muito a respeito da maternidade pois eu quero muito ser mãe e venho conversando com meu esposo sobre a hora certa para engravidar. Um dos assuntos que me chama muita atenção e que venho refletindo é sobre a cobrança da sociedade em cima da mulher; há alguns anos o único requisito para ser mãe ( uma mãe cristã ) era ser casada, hoje somos impulsionadas a termos faculdade, uma carreira, um bom emprego e o filho fica pra depois. Eu já sou formada mas não estou trabalhando e muita gente me censura dizendo que tenho que ter um emprego! Eu queria aproveitar que não estou trabalhando pra me dedicar à criança nos primeiros anos dela. E como as pessoas gostam de dar palpite, é tanto achismo que irrita. Outro assunto que me intriga é de como as pessoas estão egoístas, concordo que é uma escolha ter um filho pois é muita responsabilidade mesmo, mas as pessoas não querem se doar para o outro, nem mesmo para um filho, não querem ter sua individualidade roubada e sua rotina alterada, não querem ter trabalho! Essa semana mesmo conversava com uma amiga que me disse que o duro de ter um filho era ter muito trabalho para não ter um retorno!!!! Bom , pra mim o melhor retorno seria ver meu filho crescendo saudável e aprendendo de Cristo!!!! E eu não vejo a hora de me doar , meu tempo e esforços para uma pessoinha que sairá do meu ventre!!!
    Bom meninas, já falei de mais!!!! Beijos!!!!!

    • Cinthia Barbosa

      Meninas mais uma coisinha! Vocês falaram para conversar sobre o assunto no namoro e eu apoio isso! Foi o que eu não fiz e hoje sofro as consequências! Como falei pra vocês venho conversando com meu esposo sobre a hora certa para engravidar e na visão dele a hora certa é nunca!!!! Ele não quer ter filho, para minha tristeza! Conversamos muito e disse que eu tenho o sonho de ser mãe e ele concordou mas ainda não quer! Ele não vê razão em ter filho!!! Eu já tentei de várias formas explicar o porque ter filho mas……. Vocês tem alguma sugestão e argumento para um ter casal ter filhos?! O que me resta por enquanto é orar! Beijos

      • Querida. Orar não é o que resta. Orar é a primeira coisa. Coloque Deus na frente de suas escolhas e como mediador entre você e seu esposo. Mas, respeite o que ele diz, haja com sabedoria, para que tudo seja feito para a honra e Glória de nosso Deus. O casamento é realmente uma experiência complicada e abençoadora quando conseguimos ser sábios e pacientes.
        Beijos e orando por vcs.

        • Cinthia Barbosa

          Obrigada Kesia! Deus abençoe!

  • Meninas, muito interessante esse episódio! Vou passar pra minha noiva escutar, já que tem muitas dicas importantes 🙂

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

  • Amábile Montibeller Schmitz

    Já escuto podcasts a algum tempo e apesar do Bibo dizer que comentário é o salário do “podcaster”, nunca comentei nenhum até hoje e abri uma exceção para vocês, meninas. HAHA
    Quero parabenizar todas vocês pelos conteúdos abordados. São assuntos importantes não só para a esfera cristã, mas para a sociedade no geral. Infelizmente a nossa sociedade tem uma visão deturpada de muitos assuntos que vocês já gravaram e isso influência diretamente nas nossas vida e a maioria das pessoas, me incluindo junto em inúmeras vezes (Infelizmente), não sabem aceitar opiniões contrárias.
    Sobre o podcast da vez, não tenho uma opinião formada a respeito da maternidade em relação a mim. Sei da sua importância e admiro quem é, porque haja paciência com os filhos de hoje. HAHA Acredito que se eu me descobrisse grávida, faria que nem a Jaque, choraria litros por váriosssssss motivos. HAHA
    Mas é isso ai meninas. Ah! Achei super convidar um integrante do sexo masculino para dar um outro contraponto. São desses diversidades (Incluo qualquer, gênero ou ideia) que sai boas reflexões.

    Valeu,
    Amábile.

    • Amábile

      Ah! No finalzinho ali, quando falo do Cacau, digo no podcast anterior. Ficou meio vago! Não é desse hein?! Não sou louca e nem confundi a voz rouca da Dri com um homem. HAHA Brincadeiras a partes! (:

      Valeu.
      Amábile.

  • Ana Rebeca Borges

    Enriquecedor!

    É Isso!!

    Não
    subestimando vocês, eu sabia que o Podcast seria demais, mas eu não esperava
    que fosse TÃO INCRIVEL, TÃO GRACIOSO, TÃO CRISTÃO, TÃO REALISTA, TÃO
    CONVICENTE…

    MENINAS, QUE
    DEUS ABENÇOE POR ESSE PODCAST, TOP DE LINHA!!!

    (entrou na minha lista de podcast´s favoritos,
    e quando eu falo favoritos, eu me refiro
    a ouvir até decorar as falas de vocês kkk)

    Foi benção na
    minha vida, refletir um pouco sobre o assunto, que há alguns meses já estava
    vindo em meu coração (é porque eu vou casar rs). Ser mãe nunca foi algo de
    grande ambição ou de grande pavor em minha vida, vai vir se assim Deus quiser,
    e eu e meu noivo♥ somos ok com a
    decisão de Deus em nossas vidas.

    MAS AGORA
    MINHA VISÃO MUDOU TOTALMENTE, agora eu sei o que é ter um filho para a Gloria
    de Deus, gente eu estou até com vergonha, que tipo de crente eu sou rsrs, mas
    nunca pensei no que meu filho pode contribuir pra esse mundo, nossa que
    incrível, ele pode ser uma benção na próxima geração (estou escrevendo isso e
    pensando em um milhão de coisas que ele pode ser, serio estou pirando na minha
    imaginação). Estou muito feliz em ter essa revelação que vai mudar TUDO daqui
    em diante.

    É logico
    que meus filhos serão criados em uma base cristã, pq assim fui, e louvo a Deus
    por isso, eu e o Lucas temos vontade de brincar com eles de “historias da
    bíblia”, se vestir com roupas da época e fazer teatrinhos rs. Mas minhas
    orações em relação à criação dos filhos vão mudar, não vou mais pedir pra Deus protege-los
    do mundo, mas que Deus os faça agentes de combate ao mal e que levem a Gloria
    de Deus para a próxima geração :’).

    Enfim, eu
    vou parar por aqui se não vai dar preguiça de ler rs, e mais uma vez OBRIGADA
    meninas, esse podcast ficou demais! ♥

    • Kezia Chaves

      Perfeito Ana. Seus bbs serão bençãos.

    • Sara Martins

      Estou arrepiada com esse comentário, Ana Rebeca.

  • Cacau Marques

    Coisa linda esse episódio. Legal ver a Kézia e a Dri juntas aqui! Sou fã das duas e fã das meninas do Delas, então foi como ver o “Vingadores” se reunindo… kkkkkkk. Parabéns pelo episódio, meu preferido até agora!

    • Kezia Chaves

      Nos vingadores eu seria o Hulk. Super delicado. ahahahaha
      Valeu Cacau. Grande abraço.

    • Laís D’Andréa Kari

      Adorei a comparação!

  • Fala Galera! Sensacional este episódio. Muito bacana, mesmo! Já estou espalhando para alguns conhecidos e conhecidas. Com relação ao papo introdutório sobre parto recomendo o documentário Renascimento do Parto.

    http://www.orenascimentodoparto.com.br/

    Grande abraço…

    • Kezia Chaves

      Indico demais esse link. Eu não tive a benção do parto normal, por problemas de saúde e esse agora, terá que ser tbm cesária porque os anteriores foram. 🙁

  • Desculpem, mas prefiro cesárea. Minha anatomia não favorece um parto normal #comentarionosense

    A propósito, ótimo episódio 😀

  • Katia Lima

    Meninas, adorei o bate-papo. É minha primeira vez no Delas.
    Estou num momento tão difícil da maternidade… conciliar minha carreira com ser mãe e dona da casa. Abrir mão dessa parte da vida será meu maior desafio… eu amo meu trabalho, mas é um trabalho de uma mulher sem filhos, rs… orem por mim.

    • Kezia Chaves

      Querida. Não desista. Muitas trabalham, são casadas e tem filhos. Força e fé. Tudo se arruma. Lembre-se que se há uma rotina em casa,o bb adapta-se sempre. É só uma questão de exercicio de fé e paciência.

      • Katia Lima

        Obrigada Kezia, querida. É dificil ouvir que se vc quer se dedicar a sua carreira e abrir mão de ficar com o filho isso é egoísmo. De certa forma nós mulheres cristãs que trabalhamos fora sofremos com esse dilema. Mas sei que Deus tem planos pra mim e que isso vai acontecer no tempo Dele. Por enquanto meu “mãerido” é quem toca o cuidado com a pequena Laís. E tem sido incrível ver ele, que ainda não é convertido, tão envolvido nessa missão. Bjos mil.

        • Kezia Chaves

          O grande lance, você já entendeu. Colocar o marido pra assumir o que de fato é ser pai. Você verá que ao chegar em casa, terá mil histórias para ouvir. Isso é demais.

  • Kéllen Valeska

    Ain, muita emoção nesse podcast :´)
    Meninas, arrasaram como sempre e participação da Dri e da Kezia foi muito enriquecedora http://ibab.com.br/mensagens/mensagem/quem-fica-se-frustra-quem-sai-se-culpa

    Grande abraço!
    Ps: Renata fez falta 🙂

    • Kezia Chaves

      Realmente, Renata faz falta. Demais.
      Alguns pais e mães esquecem que a crianças é um individuo, com necessidade de sociabilizar. Pensam que suprir financeiramente é tudo, que um dia, quando crescerem compreenderão. REalmente, até compreenderão, mas é só. Não terão histórias para contar… Até os momentos de necessidade que uma família passa, pode servir de crescimento para uma família. O carater de uma criança se forma de tantas maneiras, na convivência, nas brincadeiras, na alimentação á mesa, nas orações antes do sono noturno. A presença infantil é um presente. Fato.
      Ouvirei o material da IBAB. Beijos.

    • Ouvi esta palestra da IBAB hoje porque tinha visto sua indicação, Kellen. Achei maravilhosa e muito enriquecedora a discussão deles. ♥

      Obrigada por, sem querer, ter edificado minha vida neste aspecto.

      • Kéllen Valeska

        Tamyres, de nada 🙂 Fico imensamente feliz em saber que de alguma maneira pude edificar sua vida rs
        E fica a dica: a IBAB uma vez por mês tem estes bate papos super agradáveis, de conteúdo incrível e relevante para as mulheres 😉 Grande abraço!

  • Raphael Wilker

    Cast muito bacana.
    Estou muito curioso pra saber a parte 2.
    Uma sugestão é a de se aprofundar mais sobre adoção.
    Por que adotar ?
    Quando se adotar ?
    Como funciona ?
    E por ai vai.
    Uma coisinha que eu estive pensando é que na minha opinião fecal, creio que muitas mulheres usam as palavras egoistas como sinalizado pela Dri, como remedio para curar a ferida de um magoa, que é o fato do casal não estár conseguindo engravidar, seja por problema do homem, ou seja por problema da mulher.
    Bom é isso cast muito bacana.

  • Alessandra Rigazzo

    Que delícia de conversa animada e sincera!

    Meninas, amei “participar” dessa conversa, afinal, quando o papo é bom a gente fica conversando do lado de cá junto com vocês…haha…apesar das 456 pausas para cuidar dos filhos.

    Penso que andar na contramão do sistema é o que temos para os dias atuais e para sempre! (Dri, essa foi pensando em vc!). O machismo queria escravizar as mulheres de uma forma, o feminismo quis escravizar de outra forma. O fato é que em Jesus nós somos livres para sermos nós mesmas com a coragem que Ele mesmo nos dá e foi nisso que pensei enquanto vi as opiniões, relatos e desabafos surgindo ao longo do podcast.

    Que gostoso também ouvir a Kézia falando de sua experiência e da importância do MOPS (Mothers of Preschoolers). Particularmente, sou apaixonada por esse grupo de mães que apoiam umas as outras e que se espalha pelo mundo. Poder encorajar e ser encorajada por amigas que te entendem e te ouvem sem julgamento, tem um peso muito grande na vida de uma mãe que, às vezes(cof, cof…sempre!) está imersa em uma “santa bagunça” que mais parece um mundo paralelo…hahaha

    Bjo para todas. Amo vocês!

    PS: Quem se interessar, pode procurar por um grupo de MOPS perto de casa ou até mesmo abrir um: http://www.mopsbr.com.br/#!grupos/cjg9

    • Kezia Chaves

      O MOPS é espetacular. Queria que todas as mães tivessem acesso a esse trabalho maravilhoso e poderoso, encorajador e responsável por mudar minha vida.

  • Giseli Cordeiro Batista Cardos

    Gente, muito bom esse espaço! Tenho que confessar uma coisa, ouvindo vcs falando sobre a motivação de ter filhos ou não, vejo que Deus foi muuuiito misericordioso mesmo comigo, porque fui egoista, pois minha motivação em tê-los foi a de completar a família, sabe, aquela sensação de com filhos, nossa família vai alcançar a plenitude dessa palavra (família). Hoje meus filhos tem 10 e 7 anos e vejo que se desde o início do relacionamento com meu marido tivesse sido orientada a entender que na verdade, na verdade, ter filhos nada mais é que a possibilidade de glorificar a Deus através do legado bíblico que deixamos para eles. Teria evitado muitas frustações que tive até aqui.

  • Giseli Cordeiro Batista Cardos

    Sobre o assunto mãe trabalhar fora de casa ou não, muuiito complexo! Não dá para ser simplório! É preciso muita coragem, muito suporte e cumplicidade com o marido, muita dependênica e humildade para se deixar ser tratada por Deus em TUDO que envolve essa decisão. Demorei, mas, graças a DEUS, fechei o olho e a 1 ano e meio parei de trabalhar. UFA, quer saber, foi e tem sido totalmente LIBERTADOR! Deus é SURPREENDENTE e está pronto para acolher aos que se lançam a seus pés! Porque isso é o que mais faço desde então, me vejo constantemente na necessidade de correr para os braços do Pai!

  • Bianca Rati

    Meninas, achei ótimo o tema, gostei do pod! Eu sou dessas que não tem AQUELA vontade de ser mãe no sentido de gravidez, mas eu sempre quis adotar, adoção mexe com meu coração de verdade. Mas principalmente, acho que essas coisas que tem ser levada naturalmente, hoje com 19 anos, sem namorar nem nada eu realmente não preciso dessa vontade de ser mãe mas a vida vai acontecendo e mudando. Gosto muito dessa visão mais realista que vocês trazem para os assuntos. Beijos <3

  • Andreia E Ozzy Lima

    Parabéns pelo podcast meninas!
    Esse tema é muito relevante e todas vocês foram ótimas!
    Ser mãe é um grande desafio e eu fico maravilhada com a força que Deus nos reveste para desempenharmos esse papel tão importante.
    No meu caso, foi quando os médicos deram 35% de chance de minha filha sobreviver a um câncer (neuroblastoma) em seu IV estágio. Jamais pensei que conseguiria sobreviver a isso tudo, pois quando sonhei em ser mãe, isso jamais passou em minha mente. Deus em sua soberania escolheu glorificar Seu nome através de nossas vidas e curou minha filha, após quase 1 ano de tratamento intensivo, onde ela esteve a beira da morte, mas somente pela graça do Senhor conseguimos suportar tudo.
    Que o Senhor as abençoe e lhes dê muita sabedoria para continuar esse lindo trabalho!
    Beijos a todas!!

  • Daniel Cazé

    Passando pra registrar que:
    Ser pai (ou mãe no caso do pod) cedo é a melhor coisa que existe. Tenho 32 anos e uma filha que vai completar 13 anos e outra que vai completar 10 anos. É muito bom compartilhar de coisas juntos, como ir pro show do oficina g3 ou ver o metanoia… certo que quando muito jovens tomamos a decisão consciente de casar e ter filhos logo, não avaliamos muito a questão financeira, mas deu certo, o Senhor abençoou e aqui estamos… penso que se tivessemos pensando em muitas variaveis, como dinheiro, faculdade, casa, a violencia, não teriamos filhas naquela epoca e provavelmente hoje também não. Acho que o mais importante é entender o conceito de familia, ou seja, como repetido muitas vezes pela adriana, é não ser egoista e viver para os outros, no caso, sua familia. As vezes é dificil… certeza vezes quando ainda estavamos no inicio do casamento, queria ter um tempo de jogar video game depois do trabalho e não podia ficava meio chateado, mas a chateação logo passava quando elas me abraçavam, ou algo assim… atualmente a nossa sociedade subverte os valores de familia para satisfazer a si mesmos. E não sou perfeito não, mas hoje, poder compreender isso e lutar por uma familia ainda mais unida, é ja ter moças bem encaminhadas nos caminhos do Senhor é o meu maior presente aqui na terra… quanto ao lance do parto, minha primeira filha nasceu normal e minha mulher sofreu tanto que quando engravidou da segunda, quase entrou em depressão só em pensar em ter outro filho de parto normal. Graças a Deus, foi cesariana e deu tudo certo, ou quase tudo, porque o leite pedrou, ela não pode amamentar, e eu que tive que cuidar (mais do que seria o “normal”) das duas… enfim…enfim… escuto nobarquinho e cia a muiiiiiiito tempo e não sou de comentar muito.. mas fica aqui minha opinião e relato…

  • Yane

    Ah cara… a parte dos pais… eu não tive pai presente, ele saiu quando eu nasci, ou porque eu nasci, qualquer coisa dessa. E sempre que testemunho pais como os seus maridos sempre me emociono, porque quis muito ter um. Hoje a gente se fala sem a raiva que eu nutria, mas ainda assim, como doi saber que não tenho um pai como eu queria ter. Que nem precisava acertar tudo não, só que fosse pai mesmo sabe? Mas tenho aprendido a viver assim.

    Mas enfim, falando sobre mães, eu também tenho esse sentimento de querer ser mãe, e até já falei o memso da Dri a minha mãe: quero ser mãe independente de ter o pai. E que pastor infeliz esse ser que diz que nao adotaria porque nao saberia repreender viu? ¬¬ eu ouvisse isso ficaria indignada.

    Parabéns garotas por mais esse episódio, 5 episodios, todos top!

  • paulo_ddd

    Além de dizer que o podcast tá fantástico queria ressaltar um detalhe: A Jaque é uma excelente “âncora” (não sei como se chama essa função aqui, hahaha). As perguntas foram muito bem pensadas e o “caminhar” do podcast foi muito bom. Meus parabéns =)
    A escolha das convidadas foi muito legal também; diferentes experiências e pontos de vista. Muito legal!

  • Lourival Gonçalves

    Ótimo podcast.Já ouvi Duas vezes,uma com minha esposa.No caso de minha esposa e eu temos até os nomes dos Filhos quando tivermos.Mas desde o namoro e noivado temos tudo anotado e agora no casamento temos mais ainda esse cuidado com o próximo passo e temos adiado esse DESEJO,não só porque no dia 15.06 faremos dois anos de casados,mas por um motivo justo até.Sei o quanto Deus abençoa o casal com a chegada de uma criança,mas antes de tudo que possamos pedir a Ele sabedoria antes.Uma vez me Chamaram a atenção:Você ainda não tem filhos?
    –Respondi:Se você ajudar a cuidar.kkkk.
    Enfim,ao ouvi esse podcast me deu vontade de ter filhos.A mesma vontade me bateu quando ouvi o podcast irmãos.com #264: Paternidade. http://www.irmaos.com/podcast/?id=13490 ,mas vai ter que espera mais um poucoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo.kkkkkkk. #264: Paternidade

  • Olá, meninas. Voltei. Comentei só no primeiro programa, mas maternidade é um assunto que me é caro, apesar de ainda não ser mãe. Como no meu primeiro comentário, vou comentar anotando os minutos da fala, para facilitar pra vocês.

    Por volta dos 15 minutos, é falado sobre a preferência de meninos e meninas já serem mostradas na infância. Acredito que hajam preferências natas em cada gênero, mas não há como negar que meninos preferem azul porque crescem sendo vestidos de azul e ouvindo que carrinho é brinquedo de menino e boneca é coisa de menina.

    Na sequência, a Adriana (eu acho) continua falando sobre como as meninas vão abandonando o “desejo” de serem mães por outros motivos como se querer ter uma independência financeira, adquirir conhecimento fosse ruim. Não vejo problema algum em querer conquistar coisas antes de entrar na maternidade porque esta toma tempo sim da mulher. Eu mesma, sou casada há dois anos, formada em história, e decidi fazer mestrado antes de ser mãe, porque antes de “ser mãe”, eu sou mulher e um ser humano autônomo e independente que tem sonhos e projetos. Este tipo de discurso é muito os “cultos de mulheres” que fazem lavagem cerebral para as mulheres serem donas de casas, mães e esposas totalmente submissas (no sentido de omissas e anuladas) por seus maridos em seus lares. É perigoso se criticar só pela crítica, pois o projeto a longo prazo da vida de muitas mulheres inclui estudar para ter uma condição financeira e até mesmo realização profissional também antes de terem os filhos.

    Lá aos 48′ a Adriana fala novamente sobre a vida profissional da mulher-mãe, como se fosse algo totalmente inaceitável ter filhos e continuar trabalhando. Eu concordo com o ponto apresentado sobre não largar a criança o dia todo na creche/escola, mas simplesmente há mães que não tem opção. Mas há também a vontade da mulher. Como disse acima, antes de ser mãe a mulher é uma pessoa. Ela pode gostar do trabalho e simplesmente não querer largá-lo. Eu sou professora, e espero no futuro poder trabalhar só meio período para ficar com meus filhos em casa, mas não existe a possibilidade de trabalhar EM casa pra mim, como para 99% do resto das mulheres do país, e mesmo que tivesse, eu não ia querer. Amo o contato com os alunos e me sinto realizada fazendo meu trabalho, que honestamente, vejo como o dom que recebi.
    Mais pra frente, tanto a Kézia quanto a Adriana falam que trabalham em sistema de Home Office. Gente, no Brasil é mínima a parcela de pessoas que podem trabalhar assim, então é difícil as duas quererem colocar parâmetros na vida das outras mulheres pelo formato de vida que elas tem.

    Aos 18 minutos, achei super chata aquela MEGA inserção. Chata demais e muito longa.

    Aos 35’50” a Adriana diz que ter filho é mandamento de Deus. Posso ter entendido errado que ela quis dizer, mas acho que ter filhos pode ser uma ordenança de Deus, mas acho beeeem complicado falar que é mandamento de Deus. Paulo mesmo diz sobre as pessoas que sentem que não tem vontade de casar, etc. Estas pessoas estariam descumprindo um “mandamento” de Deus não tendo filhos? Pra mim, na Bíblia, vemos 10 mandamentos na AT e 2 no NT. Ter filhos não está em nenhum deles como mandamento.

    Aos 55′ em diante, a Kézia fala sobre o marido dela e a relação afetiva dele com os filhos, e eu posso ter interpretado errado, mas a forma que ela descreve o marido, pareceu um pouco depreciativa, ao falar que “ela deveria ser o homem”, como se chorar, se emocionar, ter afeto e carinho fosse coisa “de mulher” e ser duro fosse coisa “de homem”. Posso ter entendido errado, mas achei que teve este tom.

    Enfim, sei que o comentário foi longo, mas achei que era válido expor minhas opiniões aqui.

    Abraços.

  • Tamires Azevedo

    Ola meninas, só agora consegui ouvir por conta da correria entre faculdade trabalho e família, vergonhoso não? Adorei o tema, ainda mais por também ser mamãe, de um menino de 10 anos. Meu parto foi natural, recuperação foi rápida. Adorei os “testemunhos” das meninas, e levei muito tapa na cara, pois não queria mais ter filhos por só agora estar conseguindo dar uma guinada na minha vida profissional, pois fui mãe muito jovem, sem maturidade e responsabilidade alguma. Percebi ao ouvi-las que estava sendo totalmente egoísta, e medrosa por colocar mais uma criança neste mundo caótico como foi dito. Com o testemunho do filho da Kezia chorei pacas de emoção, e percebi que não tenho orado e discipulado meu filho como deveria, deixando tudo para a igreja fazer, e dando mais prioridade para minha vida profissional do que para ele, tentando correr atrás do que não consegui quando engravidei, mais um tapa na cara. Parabéns meninas, através de vocês o Senhor abriu meus olhos para olhar mais para meu filho, e para minha vida. Não as conheço pessoalmente mas já a amos no Senhor, que Ele possa continuar abençoando a vida de vocês, Abraços, paz!

  • Sara Alencar Dias

    Me emocionei com a conversão do Davi! :’) Eu AMEI o poscast. Ser mãe é meu maior sonho e é bom abrir nossa mente para essa responsabilidade desde agora para que Deus nos dê a graça de criar um filho para Ele! Amei. bjs

  • Júlia Esther

    Oi meninas! (Sou a mais atrasada nos comentários, mas tá valendo! haha).
    Esse podcast foi muito lindo gente, parabéns! Realmente Jaque, emocionou muito!
    Acho legal acrescentar também a minha visão sobre o momento de ter filho. Eu e o Mateus (meu marido) conversamos bastante sobre isso, e além do planejamento pessoal (realizações particulares, e aquele egoísmo que foi comentado) acredito que nossa maior preparação, antes de sermos pais, e de “como ser bons pais”. Acho que Deus nos prepara e capacita para sermos instrumentos Dele para nossos filhos. Na educação, nos ensinamentos, na família, na fé. Pretendemos ser pais sim, um dia, mas acho que será perto de quando sentirmos que estamos perfeitamente moldados por Deus para isso. Claro, vamos aprender muita coisa vivendo né? haha. Mas no coração, Deus estará guiando. Sempre muito boa a companhia de vocês! Abraços!