À Deriva #11 – Presença de Deus

No Barquinho novembro 5, 2014 1

É complicado explicar algo que raramente acontece, mas alguns de vocês que, por ventura, estão lendo essa história saberão exatamente do que estou falando.

Não à toa, coisas maravilhosas e extraordinárias acontecem em nossa frente e nem por isso ficamos impressionados porque já nos acostumamos com isso.

É por isso que Cristo enfatizou tanto o quanto é importante a presença das crianças no seu Reino.

E é por isso que ao iniciar essa história, peço a vocês sejam sensíveis e abram seus olhos de meninos e meninas, que com sua doce inocência, não julga e nem questiona a veracidade dos fatos.

Era uma linda e fria manhã de inverno, eu morava num dos pontos mais altos da serra da Mantiqueira, o sol nascia timidamente no meio da densa neblina que praticamente deitava-se sobre as montanhas, uma cena típica da região dizendo que o inverno seria rigoroso naquele ano.

Eu, como sempre, acordava cedinho para ir ao colégio, me vestia com tanto agasalho que as vezes era quase impossível me mexer, mas pelo menos mamãe ficava tranqüila e não se preocupava pois daquele jeito era certo que não pegaria um resfriado.

Como a distância da minha casa até o colégio era pequena, meus pais não se importavam que eu fosse sozinha, apesar de ainda ser muito pequena, eles já confiavam em mim, como também não tinha com que se preocupar, afinal morávamos em uma típica cidadezinha mineira.

Mas naquele dia em especial, apesar de sempre percorrer o mesmo percurso, por um motivo que, hoje entendo bem, não o trilhei. Claro que iniciei minha jornada cotidiana por ele, mas no meio do caminho, avistei uma linda borboleta de asas azuis e amarelas, que voava soberana por entre os copos de leite adentrando numa pequena trilha que ao final dava numa linda cachoeira.

Claro que até então não sabia da existência daquele lugar, e acho que até hoje muita gente desconhece ou simplesmente o ignora.

Mas o que importa mesmo é que quando adentrei naquele desconhecido e maravilhoso lugar meus olhos simplesmente marejados de lágrimas estremeceu meu coração de tanta beleza.

A cachoeira desencadeava num caudaloso rio de águas calmas e cristalinas, eram tão limpas que podia observar os peixinhos por entre as pedras ao fundo. A verdade nisso tudo era que, naquele lugar, eu me sentia segura, era um silêncio que trazia paz e descanso.

Eu já havia sentido isso antes quando abraçava mamãe e papai, me sentia protegida e tinha certeza de que nada de mal poderia me acontecer, lembrei também quando mamãe me contava histórias da Bíblia, dizia que Papai do Céu era nosso melhor amigo, e que ele me amava tanto que deu seu filho para morrer por mim, e que esse amor nos fazia sentir assim, protegido, sob suas asas de amor.

Eu sabia que naquele lugar havia algo de especial, comecei a perceber que não era nada de diferente que me fazia sentir alegria ao ponto de correr e rolar naquela grama verdejante, era apenas a pura presença de Deus que me fazia perceber, naquele lugar, cada detalhe da natureza então puder sentir seu amor e cuidado sobre mim.

Era tão perfeito, que podia ouvir uma linda sinfonia, as águas batendo nas pedras, o vento batendo nas diferentes folhas e o cantar das aves formavam um belo arranjo.

Diante disso, comecei a imaginar como seria o céu, a professora da EBD sempre dizia que as ruas eram feitas de ouro e de cristais, mas eu sempre imaginei que seria tão belo quanto aquele lugar onde estava.

Eu tinha certeza que Deus me amava e que Ele me levaria para o céu, sabia que se o mantivesse em meu peito jamais deixaria seus caminhos, aliás, essa tem sido minha oração até hoje, e desde então soube que lá no céu eu não iria mais chorar, não teria mais problemas.

É por isso que até hoje, quando me remeto em pensamento a aquela pequena cidade, naquele lindo lugar nos dias frios de inverno lembro-me como se fosse hoje de como é poderoso esse amor e com isso minha fé se renova.

À Deus toda honra, toda glória, todo louvor, te seguirei onde fores, e se um dia eu quiser cair por favor Senhor, segure-me com tua forte mão e não me desampares porque não há razão para viver longe de ti, AMÉM.

_________________________________________

Texto “Presença de Deus”: Walquiria Vilela
Gravação, edição e masterização do áudio: Chico Gabriel
Arte da vitrine: Daniel Sas (portfólio)

Tem um texto para o À Deriva? Envie para aderiva@nobarquinho.com

Email: podcast@nobarquinho.com
Twitter: nobarquinho.com/twitter
Facebook: nobarquinho.com/facebook
Google+: nobarquinho.com/g+
Instagram: nobarquinho.com/instagram

Siga os marujos no Twitter: @PedroAngella@thiagoibrahim, @matheusmsoares@baudecronicas@chicone e @sas_.

Assine o nosso feed e receba as atualizações num leitor de RSS / aplicativo para smartphone: http://feed.nobarquinho.com Para assinar direto pelo iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/no-barquinho/id490144590

Você também pode escutar os podcasts através dos agregadores de podcast! Acesse:
Youtuner:  youtuner.co/channel/nobarquinho.com
Podflix: podflix.com.br/beta/nobarquinho

Para ouvir o podcast no PC clique num dos players abaixo ou faça o download do arquivo para ouvir em seu aparelho mp3/mp4 (Para fazer download clique com o botão direito do mouse em “Download” e “Salvar link como”).

Se preferir, faça o download da versão zipada AQUI.

  • Ótimo episódio pessoal! A presença de Deus é magnifica, assim como o amor dEle. É algo interno, que as vezes projetamos em Sua criação, como comentado no episódio. Muito bom 🙂

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)