À Deriva #10 – Florzinha

No Barquinho outubro 6, 2014 1

Era uma florzinha nova, pequenina. A caçula de toda a sua família. E não era uma família qualquer. Era a maior e mais bela de todo o bairro. Para ser preciso, 273 irmãs. Mas aconteceu certa vez de aparecer um gigante peludo devorador de flores. Pisoteou tudo, degolou a maioria delas com seus dentes afiados; às vezes engolindo, outras apenas arrancando pelo puro prazer de destruí-las. Depois de algum tempo cansou-se da carnificina e parou. Deitou-se e aproveitou para esmagar mais algumas.

Seguiu-se então o desespero e a gritaria. — O que faremos? — bradavam as poucas ainda vivas. Talvez fosse melhor que se fingissem de mortas, pois diante da balbúrdia o temido gigante escutou e voltou a levantar-se. Agora começava a cheirar a base do caule de cada uma delas. Cheirou, cheirou…; até que meteu suas fortes patas com vigor na terra, jogando-as para longe.

A florzinha pequenina estava finalmente só. Tremia sem parar ao ver o gigante peludo de quatro patas aproximar-se. Mas eis que de longe se ouviu um som diferente. Um assovio atraíra a atenção do gigante e o levara para longe.

Florzinha então viu-se sozinha. Chamou pelas irmãs, mas nada escutou. Chorou durante séculos, e nada. Certo dia percebeu que seu caule estava mais rijo. Suas folhas mais verdes e largas. Seu botão agora sentia o sol atingindo suas entranhas. Foi então que, pela primeira vez desde aquele triste acontecimento, sentiu-se realmente viva. Estava decidida: uma vez que sobrevivera à tamanha tragédia, dependeria dela trazer as outras irmãs à vida novamente. Foi o que fez. Esqueceu-se de sua pequenez, da zombaria das belas vizinhas do bairro que, desde o episódio do gigante tripudiavam dela, e cresceu forte.

Certa manhã notou algo diferente ao seu lado. Parecia ser um broto. Era mesmo verdade! Uma irmã estava nascendo! Tal constatação foi mais do que suficiente para que ela se animasse ainda mais. O tempo passou e outras vieram. Eram uma família afinal. Novamente a mais bela família do bairro.

Passou-se o tempo. Florzinha envelheceu; suas pétalas caíram, suas folhas amarelaram, mas ela nunca deixou de contar acerca do dia em que o gigante peludo as visitou. De como se sentiu amedrontada e sozinha, mas também de como reconheceu, mesmo sendo a menor de todas, sua importância e a necessidade de continuar, nem que fosse sozinha até o fim.

_________________________

Texto “Florzinha”: Thiago André Monteiro
Voz de: Thiago André Monteiro
Edição e masterização do áudio: Chico Gabriel
Arte da vitrine: Daniel Sas (portfólio)

Tem um texto para o À Deriva? Envie para aderiva@nobarquinho.com

Email: podcast@nobarquinho.com
Twitter: nobarquinho.com/twitter
Facebook: nobarquinho.com/facebook
Google+: nobarquinho.com/g+
Instagram: nobarquinho.com/instagram

Siga os marujos no Twitter: @PedroAngella@thiagoibrahim, @matheusmsoares@baudecronicas@chicone e @sas_.

Assine o nosso feed e receba as atualizações num leitor de RSS / aplicativo para smartphone: http://feed.nobarquinho.com Para assinar direto pelo iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/no-barquinho/id490144590

Você também pode escutar os podcasts através dos agregadores de podcast! Acesse:
Youtuner:  youtuner.co/channel/nobarquinho.com
Podflix: podflix.com.br/beta/nobarquinho

Para ouvir o podcast no PC clique num dos players abaixo ou faça o download do arquivo para ouvir em seu aparelho mp3/mp4 (Para fazer download clique com o botão direito do mouse em “Download” e “Salvar link como”).

Se preferir, faça o download da versão zipada AQUI.

  • Interessante esse texto. Muitas pessoas duvidam de sua própria capacidade…

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)