#NB65 – Batismo: pra quê?

No Barquinho julho 15, 2014 32

Fala discípulo! PedroThiago e Matheus, diretamente do Mar da Galileia, se reúnem No Barquinho com os tripulantes Thiago André Monteiro e Jaqueline Lima para falarmos a importância de um dos sacramentos do cristianismo: o batismo.

Duração: 1h22min

Vitrine por Daniel Sas.
Acesse o portfolio do nosso vitrinista!

Links comentados no episódio:
– BTCast #031 – Entendendo o batismo
Batismos engraçados (vídeo)

Links comentados nas epístolas:
– Matheus Soares no Alerta Crucial #09 – Coisas que eu odeio
Go!Cast, novo podcast do Alerta Crucial

– FÉ NA FACUL
Dia 02 de Agosto, das 14h às 21h,
Local: Av. Eng. Armando Arruda Pereira, 2747 (próximo ao Metrô Jabaquara) – São Paulo – SP
Custo: R$20,00 (pagamento no local)
Maiores informações na fanpage do Cinjo

Você também pode participar dessa discussão! É só entrar em contato com a gente!

Email: podcast@nobarquinho.com
Twitter: nobarquinho.com/twitter
Facebook: nobarquinho.com/facebook
Google+: nobarquinho.com/g+
Instagram: nobarquinho.com/instagram

Siga também os marujos no Twitter: @PedroAngella@thiagoibrahim e @matheusmsoares

Assine o nosso feed e receba as atualizações num leitor de RSS / aplicativo para smartphone: http://feed.nobarquinho.com Para assinar direto pelo iTunes: http://itunes.apple.com/br/podcast/no-barquinho/id490144590

Você também pode escutar os podcasts através dos agregadores de podcast! Acesse:
Youtuner:  youtuner.co/channel/nobarquinho.com
Podflix: podflix.com.br/beta/nobarquinho

Para ouvir o podcast no PC clique num dos players abaixo ou faça o download do arquivo para ouvir em seu aparelho mp3/mp4 (Para fazer download clique com o botão direito do mouse em “Download” e “Salvar link como”). Se preferir, faça o download da versão zipada AQUI.

  • Tatyane Costa

    Marcos 16:16

  • Gabriel Tuller

    Vim tentar o discípulo desocupado, mas já não ganhei.. =(

    Volto depois pra comentar sobre o programa!

  • Lucas Cassemiro

    Mais um episódio! Ouvir e daqui a pouco voltar para comentar!

  • João Lucas dos Santos

    Baixando para ouvir.
    P.S.: Roubando pauta antiga do BTCast.

    • Pedro Angella

      Roubar: pra quê?

      • Também pensei nisso, mas lá a pegada foi mais histórica, aqui foi mais semântica e cultural.

  • Felipe Santana

    Excelente podcast. Também sou Batista, Imersionista, mas com grande apreço pela teologia da Aliança, creio que pelo fato de eu ser Calvinista. Sobre a eterna discussão imersão x aspersão, talvez o que mais pese contra o método da aspersão é o fato deste ser muito parecido com o método católico. Logo, a maioria do povo da igreja já rotula o batismo presbiteriano como se fosse igual o da igreja católica, e por isso não dão crédito, ou dizem que o batismo presbiteriano não vale. Para se ter uma ideia, na igreja onde congrego, se você é presbiteriano e foi batizado criança ou mesmo adulto, você precisa ser rebatizado, regra que sou totalmente contra.

    Deus continue abençoando o trabalho de vocês, abraço.

  • Vinicius Sirvinskas Ferreira

    Fala Pedro, TB fui batizado 2 vezes, uma na católica e uma na batista. Valeu pelas dicas, Os Cabracast já conhecia, o Go!Cast achei e vou ouvir, mas a terceira indicação não consegui entender… ouvi novamente e não consegui mesmo.
    Ah… eu gostei do episodio sobre mau humor, meu comentário só tentou seguir a pegada do programa… mas a trilha estava realmente alta.
    ABS.

    • Vinicius Sirvinskas Ferreira

      A Toca! Sai do barulho e entendi… já estava na lista TB.

  • Oi.
    Ontem li uma passagem em Atos sobre o batismo que me deixou doida, porque, aparentemente, era meio diferente do que sempre acreditei.
    Quando cheguei em casa, vi que o podcast era sobre batismo, pensei: “opa, providencial”. Tudo bem que vocês não chegaram a tocar no ponto da minha dúvida, mas achei o podcast muito bom porque abre um momento de reflexão sobre essa ordenança, que talvez não tenha a importância que deveria ter (em muitas igrejas), mas que diz muito sobre como vemos a conversão, o que vocês falaram muito bem.

    obs.: A passagem da minha dúvida foi Atos 8:14-17:
    “Os apóstolos em Jerusalém, ouvindo que Samaria havia aceitado a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. Estes, ao chegarem, oraram para que eles recebessem o Espírito Santo, pois o Espírito ainda não havia descido sobre nenhum deles; tinham apenas sido batizados em nome do Senhor Jesus. Então Pedro e João lhes impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo.”

    E descobri que essa passagem é um dos textos que separam católicos, pentecostais e reformados na questão de conversão e batismo. Aí entendi um pouco mais sobre a passagem lendo essa análise: http://ecasolli.wordpress.com/2010/11/10/estudo-exegetico-atos-8-pentecoste-em-samaria/

    • Thiago André Monteiro

      Oi Talita, prometo que, assim que tiver tempo, vou responder a sua dúvida aqui, ok?
      Fique acompanhando…

  • João Marcos Silva

    Fui batizado aos 15 anos na Assembleia de Deus (não foi num rio; foi num tanque que ficava embaixo do púlpito) e algum tempo depois eu descobri, num livro sobre história da igreja, que luteranos batizavam crianças. Achei estranho, suspeitei de que o autor poderia estar equivocado e acabei esquecendo isso por um tempo. Lá pelos meus 18 anos, resolvi estudar a fundo a história do cristianismo e, aí sim, soube que não só luteranos, mas várias igrejas protestantes históricas batizavam crianças. Imersão ou aspersão não me incomodava, pois eu já sabia que, mesmo na Assembleia, o batismo por aspersão pode ser usado em caráter excepcional (no caso de doentes, por exemplo). Mas o pedobatismo não descia!!! Até me deparar com um texto escrito por um pastor presbiteriano de nome estranho, até então, completamente desconhecido pra mim: Augustus Nicodemus Lopes. Pronto! Simpatizei com a ideia! A teologia da Aliança me mostrou um lado do pedobatismo que eu não conhecia. Hoje, tenho convicção de que o pedobatismo é bíblico e era realizado desde os primeiros anos da Igreja (alguns documentos dos primeiros séculos sinalizam isso). Temos que entender que a sociedade dos tempos de Jesus (e até há poucos séculos atrás) era patriarcal e era comum que a conversão do pai resultasse na conversão de toda a família. Quando a Bíblia relata que alguém foi batizado e, com ele, “toda sua casa”, está implícito que, caso houvesse crianças, elas também eram batizadas. Os judeus tinham a noção de que os filhos faziam parte do seu pacto com Deus. Paulo disse aos Coríntios que os filhos dos crentes são santos. Assim sendo, uma vez que o batismo é um sinal visível de uma graça invisível que já foi alcançada, não há motivo para negar aos filhos esse sinal. “Deixai vir a mim as criancinhas”, já dizia Jesus!
    Uma questão que não foi levantado durante o episódio, é a validade do batismo realizado por outras igrejas. As igrejas luteranas (IELB e IECLB), os anglicanos, a Igreja Metodista do Brasil e a Igreja Presbiteriana Independente aceitam batismos realizados em qualquer igreja cristã, desde que realizado com água em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Isso inclui pessoas vindas da Igreja Católica, que não precisam ser rebatizadas (na IMB e na IPI, se a pessoa pedir, eles realizam outro batismo). A Igreja Presbiteriana do Brasil não aceita o batismo católico (pois não considera que a ICAR é cristã), mas aceita o das igrejas evangélicas. Os Batistas, por motivos óbvios (!) só aceitam batismos realizados em adultos e, geralmente, por imersão. Acredito que a Assembleia de Deus (e pentecostais em geral) trate a questão da mesma forma que os batistas, embora eu não tenha lido nenhum documento a respeito e não conheça nenhum caso de pessoa que tenha sido batizada quando criança numa igreja protestante e depois tornou-se membro da Assembleia. A Congregação Cristã no Brasil rebatiza qualquer pessoa vinda de outra igreja. A Igreja Católica, embora pouco se fale nisso, aceita o batismo realizado em várias igrejas protestantes, inclusive pentecostais. Em casos de dúvidas sobre a fórmula usada no batismo original, a ICAR realiza o “batismo sob condição”, ou seja, um rito em que o batismo só será válido se o original não tiver sido realizado corretamente. Vale ressaltar que, na ICAR, qualquer cristão leigo, sob certas condições (como, por exemplo, estar diante de um moribundo e não ter um sacerdote por perto), pode realizar um batismo.

    • Tattinha

      Conheço uma família que foi batizada em uma igreja Batista e depois de muitos anos passaram a congregar na Assembléia. Nenhum deles foi rebatizado.

      • João Marcos Silva

        O batismo da Igreja Batista é igual ao da Assembleia. A Assembleia de Deus não tem o costume de rebatizar pessoas que vieram de outras denominações evangélicas credobatistas. O que eu não estou certo é sobre o tratamento dado aos que vêm de denominações pedobatistas como os metodistas, presbiterianos, luteranos e anglicanos.
        P.S.: Também conheço muitos ex-batistas que estão hoje em plena comunhão com a Assembleia de Deus e não foram rebatizados.

  • Lucas de Andrade

    Mais um episódio! Excelente!

  • Abner Melanias

    Caras,
    Passando aqui só pra elogiar a participação do @thiago_andr_monteiro:disqus afinal soube trazer conteúdo sem ser chato e dar uns cortes precisos nas horas certas para não entrar nas discussões partidárias do assunto.
    Abraços!

    • Thiago_Ibrahim

      Obrigado pelo elogio à edição, Abner! Se é que você me entende…

      • Abner Melanias

        Entendo, mas ainda assim fico com a boa argumentação do @thiago_andr_monteiro:disqus que mesmo uma excelente edição não iria arruinar.
        Bjo!

  • Fernando Bonalume

    Muito legal.
    Uma linguagem jovem e menos complexa de um tema sério.
    Gostei e muito e todos estão de parabéns.

    Fernando Bonalume – GPM Studio – Uniformes

  • Sim!!! Sou eu mesmo!!!

    Sou Franklin e sou Batista!!!

    kkkkkkkkkk

    Muito bom, galera!

    Deixa eu contar uma história: um bom tempo atrás, na minha igreja, chegaram 3 músicos que vinham da Presbiteriana, eles ficaram ali na igreja doidos pra tocar no louvor, fazer parte da igreja e tals….daí um antigo pastor da igreja, disse que para eles fazerem parte da igreja eles teriam que ser batizados por imersão, porque de onde eles vieram o batismo não valia. Enfim, os caras ficaram tristes, argumentaram que já eram batizados e se sentiam assim inclusos. Mas, sem sucesso…acabou que foram embora e nunca mais os vi. Complicado isso, heim!!!

    • João Marcos Silva

      Muito complicado! É uma pena que não sejamos unidos nem mesmo pelo Batismo. Se eu fosse um dos 3 teria dado no pé também. Não aceitaria ser batizado novamente.

  • §noopy

    Pé do Batista????

    • Thiago André Monteiro

      Achei melhor responder. Vai que é uma dúvida legítima:
      Pedobatismo = batismo de criança/bebê

  • Alexander Stahlhoefer

    Sobre o conceito de sacramento, apenas complementando com um parágrafo de minha autoria no Mosaico Teológico:

    Sacramento
    vem do latim sacramentum que na língua grega é mysterion, em 1Co 2.1
    Cristo é o mysterion de Deus, por isto Cristo é o Sacramento de Deus. O que entendemos por sacramentos pode ser definido com o termo cunhado por Agostinho “Palavra visível”, é a Palavra da
    promessa de Deus ligada ao sinal visível, é por isto um simbolo eficaz, que
    concede aquilo que promete por meio da fé (Mc 16.16, Mt 26.22-28). É neste
    sentido que luteranos e reformados falam de “meio da graça”, pois o sacramento
    enquanto uma forma visível de anúncio da Palavra é também uma pregação do
    Evangelho, porem utilizando uma simbologia definida pelo próprio Senhor. Não é
    uma mágica, onde o simples participar faz da pessoa algo diferente. É o
    participar com fé que faz a diferença, mas não por causa do rito em si, somente
    por causa da Palavra pregada, da promessa feita na instituição do sacramento.

    Para Lutero o sacramento é meio da graça pois comunica a graça por causa da palavra da promessa que para ter efeito precisa ser confirmada pela fé. Por isso o batismo de crianças é possível pra Lutero, pois é uma oferta de graça feita à criança, mediante a fé aliena nos pais (Lutero argumenta que Jesus curou o paralítico que foi decido no meio da multidão que estava na sinagoga por causa da fé dos que o baixaram, não por causa da fé dele próprio).

    • Glória Hefzibá

      Comentei sem ver essa mensagem do Alex… Fail xD

  • Antes eu pensava que sabia o que era batismo, mas depois de ouvir esse episodio sobre batismo descobri que não sei de mais nada. Isso é bom pois me tira de conceitos “automaticos”(Batismo e morrer pra Cristo) e amplia minha visão pra compreender pontos que não enxergava antes e que faz ter uma base melhor, se bem que tem um parte do episodio que vcs me fizeram viajar legal hehehehehe!
    Vlw Abraço e aqui é Goiania Véia!

  • Interessante o episódio, e o TAM fez a diferença. Na minha opinião, o importante do batismo é o que representa. Entendo o seu significado e dando ênfase à ele, pode jogar balde de água, mergulhar no poço ou se jogar no rio, que vai ser tudo igual.

    Abraço
    EddieTheDrummer

    Ps: onde congrego somos adeptos da piscina. Nunca pensei no fato comentado sobre “as mulheres”. #TENSO

  • Glória Hefzibá

    A menção sobre o batismo como passagem por juízo foi de explodir cabeças! Muito legal!

    Sobre esse debate “sacramento” e “ordenança”, Lutero, em “Do cativeiro babilônico da Igreja”, diz que sacramento é o sinal visível de uma graça invisível, e por isso mesmo a graça acompanha o símbolo. Tanto que luteranos creem na consubstanciação. Não existe essa noção de que a graça é anterior, e o símbolo está ali apenas para dar visibilidade a algo que já aconteceu (isso só surge com Zuínglio, que foi quem separou a regeneração do batismo). E eles são protestantes, minha gente =P Eu penso que a divisão maior entre o catolicismo e o protestantismo é *para que* serve o batismo, e nem tanto essa questão temporal.

    Quanto a mulheres ou homens irem primeiro, o correto é que se tenha batismo frequentemente, para evitar esse tipo de constrangimento (ou que se façam duas vezes, separados por 15 dias). Acho muito difícil que uma mulher deseje se batizar nessas condições.

    Mas, enfim, esse tema é pesado! E acho que vocês fizeram bem evitando as formalidades, xD

  • Glub, Glub, (“Olá”, embaixo d’água) condutores da jangada mais querida da dos oceanos (exceto, é claro, nas regiões polares). Sou da Assembleia e é complicado mesmo essa questão do batismo, mesmo lendo os comentários aqui do meu post. E o link da Glória. Sobre o texto quem crer e for batizado ser salvo, pode ser que todos eram batizados, era como um pré-requisito, ai desses os que cressem seriam salvos. Mas ainda tendo ao lado de que a pessoa precisa crer para ser batizado, pois vemos na Bíblia que Deus quer que o homem se arrependa e não que outros se arrependam por ele. A discussão ainda continua aberta, assim como o Mar Vermelho, ops quer dizer… Tchau. Ps: o TAM tem a voz do Cacau do Lunas Brothers/Family

  • Yane

    Caras, dessa vez, a meu ver, a conversa ficou um tanto quanto confusa. Talvez refletindo até a confusão de opiniões existente atualmente sobre o batismo e suas formas.

    A meu ver (de novo), o batismo é um símbolo cristão, tanto pra mostrar aos demais que você e cristão, mas principalmente pra você, porque significa (ou deveria significar) que o evangelho faz sentido pra você. Teve uma coisa que ouvi tanto no btcast como com o Yago no curso de missões urbanas da AFMU, que foi o seguinte: se Deus não deixa claro o que deve ser feito, é porque há liberdade no agir. O batismo é um desses casos. É deixado claro que devemos ser batizados, mas não como isso deve ser feito. E ai entra a teologia e o que cada um, cada grupo, entende e aplica.

    Recomendando uma coisinha muito legal, o curso de missões urbanas da AFMU, numa das cadeiras, o Yago fala bem sobre o batismo. Muito interessante mesmo. =)

    o/

  • Carlos Brunoro

    Uma pena tudo isso, toda essa liturgia é um GRANDE (bla bla bla) mais atrapalha do que ajuda, o evangelho é simples, simples a ponto de pessoas que eram pescadores e analfabeta poderem entender.

    Não estamos muito diferente dos fariseus não em. Complicando o evangelho e atrapalhando com que as pessoas sejam salvas.

  • Carlos Brunoro

    Olha só que interessante, enquanto o povo (religiosos) estão preocupado com o batismo de ÁGUA, joão batista está preocupado muito mais com o batistimo no fogo e no Espirito. Lucas 3:16-17