Belo banho

Lucas Teles abril 29, 2013 11

Minha esposinha chegou em casa um dia desses lamentando uma frase que uma amiga disse pra ela. Essa amiga, solteira, se prepara para casar-se e está fazendo o famoso curso de noivos com um padre. Ela disse que aprendeu com ele que: “Um casal não deve tomar banho junto, pois acabam se acostumando com o corpo um do outro e o relacionamento perde a graça”.

Não quero fazer o texto inteiro criticando o padre e seus motivos para tal afirmação. Acredito que as intenções dele são as melhores. Mas qual a fundamentação dele? Sua experiência pessoal pode ajudar nesse caso? Por outro lado, posso compartilhar com vocês a história de uma mulher casada há 29 anos e afirmou-me que espera seu marido chegar do trabalho todos os dias para tomar banho junto dele (isso ela me disse com brilho nos olhos). Quem tem mais propriedade para falar? As perguntas vocês mesmos podem responder! Outra coisa, “relacionamento perde a graça” porque os cônjuges se acostumam com o corpo um do outro? O relacionamento afetivo-sexual tem uma porcentagem muito maior de sentimento e ação do que do próprio corpo.

Temos praticado isso todos os dias em meu lar e posso afirmar que temos benefícios consideráveis. Isso não tem nada a ver com relação sexual. É uma atividade como qualquer outra e é saudável que o casal pratique isso junto.

Vocês se lembram do texto “O poder do café”? O princípio é o mesmo. No nosso caso particular, sempre tomamos banho depois do café da tarde. Portanto, os assuntos que se iniciam no “cafezinho”, continuam durante o banho. É mais um momento para dialogarmos sobre o nosso dia de trabalho, sobre as decisões que temos que tomar e sobre os problemas individuais.

Afirmações como esta do padre são, infelizmente, prejudiciais para os relacionamentos. Não há como ditar regras e legislar sobre a vida de um casal. O casal deve tomar as decisões de maneira autônoma e ninguém, além dos cônjuges, podem interferir nelas. Se o casal acha por bem tomar banho junto, isso é uma decisão que cabe ao casal. Se não, também cabe ao casal decidir o que é melhor para ambos. O que acontece na intimidade do casal é de inteira responsabilidade do marido e da mulher. E só diz respeito a eles. Não existe fórmula mágica, padre, pastor, bispo ou qualquer pessoa que pode mudar isso.

Como eu disse, no nosso caso funciona perfeitamente pelos nossos motivos. Isso é pessoal. Acho muito saudável me acostumar com as mudanças no corpo da minha esposa. Elas vão acontecer naturalmente. Comigo também acontecerão. É melhor nos acostumarmos com isso e lidarmos com essa situação no dia-a-dia.

Alguém pode me julgar por expor uma pequena parte da minha vida íntima aqui, mas eu acredito que não é segredo pra ninguém e é absolutamente normal um casal tomar banho junto. Fiquei curioso, mas não quero nem saber a opinião do padre sobre um casal que mantém relações sexuais todos os dias. O que ele diria? Fica a dúvida!

Tenho que confessar uma coisa: minhas costas nunca ficaram tão limpas quanto depois que me casei. Por esses e outros motivos não dispenso um belo banho com a esposinha!

 

Para nossa meditação: “A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher.” 1Co. 7:4

  • O que eu tenho a falar sobre esse assunto, infelizmente nada. 🙁

  • Esse Lucas Teles… Safadinho!!! Hahaha!

  • Lourival Neves

    “Um casal não deve tomar banho junto, pois acabam se acostumando com o corpo um do outro e o relacionamento perde a graça?”.Daqui a Pouco não poderão mais mater relações….Aff!Lógico,a relação entre os cônjuges não é restrita somente ao Sexo,mas de uma forma ampla.Creio que quando ele fala Perder a Graça esteja justamente falando do contato prévio antes da relação ,tirando assim a “vondade”,kkkk!
    brincadeiras aparte..O próprio relacionamento só tem a ganhar,quando os cônjuges se conhecem,como disse o Lucas:”Acho muito saudável me acostumar com as mudanças no corpo da minha esposa. Elas vão acontecer naturalmente.”Ó tomo texto!!

  • Que isso meu caro, não conhecia esse seu lado escritor! rs, Aceca de suas ideias teóricas já sabia. bela reflexão. Parabéns!

  • Rafael Rabelo

    Tenho que comentar… a parte da esposinha lavar as costas é muito bom.

  • Eu acho isso pura bobagem. Eu particularmente não curto essa de tomar banho junto. Gosto de tomar meu banho sossegada, sem ter que dividir espaço, sabonete, água etc. Para alguns pode ser até romântico, mas esse tipo de romantismo eu não curto.

  • Lourival Neves

    Gosto é Gosto,mas tornar isso algo proibido não cola.

  • Bruno Souza

    Sou casado a 1 ano, e posso contar nos dedos as vezes que tomei banho sozinho, eu e minha esposa trabalhamos o dia todo, chegamos em casa, temos uma filha pra cuidar, dar comida, dar banho e por pra dormir, só depois disso temos um tempinho para nos dois, tomar banho junto faz parte do nosso dia-a-dia, fazemos nossos planos, cuidamos do orçamento da casa, e deixamos o papo em dia… enfim… recomendo.

  • Infelizmente os padres não tem propriedade para falar de assuntos como relacionamento, seja afetiva ou sexual. um padre falando sobre o assunto é como um psicólogo falando sem ter diploma.

  • Fernanda R. Fernandes Piper

    sou casada há 7 anos e vou confessar: esse texto me fez refletir e reconsiderar algumas práticas…rsrsrsr… =)

  • Izabely Christina

    Eu tbm gosto de tomar meu banho sozinha, tranquila: acho q é um momento íntimo, particular. Meu banho é um pouco demorado e me sinto melhor assim, Porém, meu namorado e eu muitas vezes tomamos banho juntos e é muito gostoso. Mas é necessário conversar, dialogar. É claro q sempre transamos no chuveiro: começamos com uma boa preliminar (bjos na boca, sexo oral) e acabamos na penetração.Mas sempre em comum acordo.