Expectativas frustradas

Alexfábio Custódio fevereiro 25, 2013 1

Ahoy meus caros marujos!

Ontem estreou uma nova peça da companhia de teatro local, e vocês sabem o quanto eu amo dramaturgia. Comprei os ingressos com uma semana de antecedência, preparei um quilo de amendoim torrado e comprei uma garrafa de guaraná Simbad.

Tudo estava destinado a ser perfeito! O livro que deu origem à peça é fantástico, o elenco era de primeira linha, tudo isso conduzido por um dos mais experientes diretores do mundo. Não tinha como falhar!

Mas foi um fracasso colossal!

Atores perdidos em cena, músicas mal orquestradas, o enredo estava longe do brilhantismo da obra original, tudo errado! Até os quitutes desceram amargos pela garganta! Eu sai do teatro com um sentimento terrível de tempo e investimento perdido.

Frustração, essa é a palavra!

É realmente difícil lidar com esse sentimento de impotência ao se perceber que não teremos o retorno do investimento aplicado.  Isso acontece naquele momento da constatação que, por mais que você tenha estudado, não conseguiu entrar na faculdade desejada. Ou quando percebemos que o namoro com aquela pessoa incrível terminou. Ou quando surge uma oportunidade ímpar de lucro nos negócios, e tudo vai por água abaixo. Como não se frustrar?

Isso aconteceu com a companhia de pesca de Pedro, Tiago e João. Homens experientes no ofício, eles conheciam o momento certo, as técnicas, e os locais no lago da Galileia onde conseguiriam pegar seus peixes. No entanto, após uma noite inteira empregando todos os conhecimentos e os recursos disponíveis, eles voltaram com os barcos vazios.

Tudo fica mais chato de se fazer após uma frustração. Uma coisa é voltar assoviando pra casa após um passeio com a sua bela namorada, outra é voltar cabisbaixo praticando o foreverallonismo. Os pescadores estavam limpando as suas redes, quem sabe até mesmo resmungando devido à “má sorte”, quando Jesus surgiu e pediu o barco deles emprestado.

Havia muitas pessoas querendo ouvir as palavras do jovem rabi naquela manhã, ele achou por bem se assentar em uma das embarcações para ser bem ouvido por todos. Após a sua ministração, Jesus disse a Pedro:

– Vá até as águas mais profundas e lance as redes.

A resposta de Pedro mostra a sua frustação, mas também a confiança em Jesus que tanto caracterizava o pescador galileu:

– Aff, Senhor, nós pescamos durante toda a noite, e não pegamos nem mesmo um lambari que servisse de isca. No entanto, como é o Senhor que está falando, vamos tentar novamente.

Isto fazendo, apanharam grande quantidade de peixes; e rompiam-se as redes.

Pedro aprendeu naquele dia que se Jesus estiver no barco, todos os seus investimentos serão lucrativos e nunca frustrantes. Certo?

Errado!

Ele aprendeu que Deus sempre está por perto, mesmo quando falhamos. Deus tem o poder de nos ajudar a levantar a cabeça e continuar batalhando, apesar de nossas frustrações.

Aprendamos marujos a não confiar tanto em nossos planos, projetos e expectativas. Eles se mostram falíveis mesmo com baixa probabilidade de erro. Confiemos em Deus, e em sua poderosa palavra, assim ficaremos maravilhados, semelhante aos pescadores daquele barquinho.

(Texto bíblico usado na história: Lucas 5. 1 a 11).

  • Luciano Coelho Alves

    Mais um tema reflexivo e atual.

    Gosto de lembrar que a nossa vida é também uma pregação e decepções fazem parte, assim como as realizações.

    E decepção me faz pensar em “fé aparente”. Se a nossa fé tem sido forjada e fortalecida simplesmente com esta “casca de aparência” que Deus derrube esta parede de auto-engano e trabalhe no íntimo de nosso coração; produzindo uma fé genuína, arraigada, simples e humilde.