Preocupações infantis

Matheus Soares Fevereiro 13, 2012 1
Criança preocupadaQuando eu era criança tinha diversas preocupações, por exemplo, o que ganharia no meu aniversário, passava dias e dias imaginando se iria ganhar o que estava esperando, muito ansioso para a chegada daquele momento! Me preocupava também se seria convidado para as festinhas dos meus amigos, as alegrias e decepções dependiam se receberia o famigerado convite. Morria de procupação em assistir os desenhos todos os dias nos seus devidos horários, ficava muito frustrado quando perdia os meus preferidos. Talvez para nós essas sejam preocupações tolas, e várias vezes repreendemos crianças por se preocuparem com tais “besteiras”. Nossa idade passou e nossas preocupações foram mudando, da adolescência onde a maior preocupação era ser aceito no grupo até a fase adulta, agora preocupados com trabalho, moradia, locomoção e coisas tão “sérias”.Se pudéssemos ter a visão de Deus quando enfrentamos algum problema, talvez se enquadre mais na situação de nós, adultos, olhando para os problemas de uma criança de cinco anos, provavelmente até com uma discrepância maior, pois imagine só o Criador do Universo vendo a nossa preocupação com a necessidade de acumular algum dinheiro para comprar um pedaço de terra para morar?Mas Ele não vê as coisas da mesma forma que nós, por infinita bondade divina podemos compartilhar tudo com nosso Amado, se estamos felizes, Ele se sente feliz juntamente conosco, se choramos o Espírito também se entristece pela nossa situação. Ele não nos julga por nosso tamanho, ou capacidade, Ele simplesmente se coloca ao nosso lado para qualquer situação.

O desejo Dele, entretanto, é que entreguemos tudo nas Suas poderosas mãos, não retendo absolutamente nada conosco, assim como a criança que se vê incapaz de resolver seus problemas e vai correndo de encontro aos seus Pais, assim o Senhor quer que estejamos prontos a reconhecer nossas enormes limitações e Seu grande poder.

Precisamos também, ter o mesmo sentimento que houve em Jesus, não nos acharmos melhores do que ninguém, nem que nossos problemas são mais importantes do que os de uma criança, mas que Deus quer cuidar de cada um deles.

Simples assim, que o nosso coração esteja entregue a Deus e que ajudemos nossos irmãos também nesse propósito.